O BRASILANDENSE NA PANDEMIA




A primeira, e fundamental, característica do brasilandense é não nascer em Brasilândia de Minas. Assim é obrigado a carregar o nome de João Pinheiro no RG, com todo respeito ao nosso vizinho. A segunda, e não menos importante, é falar mal da nossa terra (aqui não inclui reclamar do calor). Existe até uma página (humorística) no Facebook para isso, Brasilândia Mil Grau, bem sugestivo, não?! E com menos tempo de criação, acumulam quase duas vezes mais seguidores (1.568) que essa humilde página em que lê esse artigo. Mas há de se concordar que o FORO morde a todos e não tem apego a curtidas e seguidores, como quando as publicações dessa página são classificadas como imorais por alguns que vem aqui só para encher o saco (nossas desculpas). Continuaremos a publicar.


O brasilandense também é um ser dócil e caridoso em momentos difíceis, mas sem deixar de ser reclamão. Não consegue levar uma festa até o fim sem uma porradaria (que se a festa estiver meio para baixo pode ser até um atrativo), tiro ou facada. Mas enquanto o som está no doze, o pau quebra (até a polícia chegar), meu amigo! Não tem tempo ruim para um brasilandense. Sete da manhã de sábado o Forró Boys já está tocando no som da vizinha (houve um tempo que era Djavu).


Ou seja, uma Sub Zero (gelada), um copo americano e meio salame picado com molho de pimenta, já é o suficiente para fazer um brasilandense feliz. Mas como esse ser tão carismático está lidando com a pandemia, que notificou 745 casos da Covid-19 no Município, confirmou 60, destes, 51 se recuperaram, segundo o último boletim (06/08)?! No início tudo seguia normal, o fantasma da Covid-19 parecia distante e o brasilandense despreocupado (alguns continuam). Mas quando o prefeito, Marden Junior, ameaçou, e, posteriormente, o fez, fechar as portas da Cidade e do comércio, sofreu com as críticas. E a tal Covid logo bateu à porta.


Depois a máscara passou a ser uma exigência, mas é comum ver um brasilandense sem, pelas ruas da Cidade. E a vida segue. Por enquanto não temos mortes, sairemos ilesos dessa? Tomara! Parecemos perto do fim da tal crise. Brasilandense é duro na queda e só morre se for de raiva!


Nota.


*ATENÇÃO! Esse texto contém ironia e generalizações, favor relevar.


[PROVOQUE, OPINE, QUESTIONE!]

7 visualizações