MARDEN JUNIOR JÁ ESTÁ EM CAMPANHA PARA 2024?

Atualizado: 22 de fev. de 2021

O ex-prefeito, Marden Junior, foi ao Jornal da Tarde, da rádio Planalto FM, no dia 12 de fevereiro e apresentou um balanço de suas gestões e comentou outros assuntos.


 

Era preciso tempo para esboçar alguma opinião sobre a entrevista do ex-prefeito, Marden Junior, para o radialista Eustáquio Nunes, na rádio Planalto FM. E já com um olhar afastado do dia 12 de fevereiro, em que Marden apresentou seus feitos aos brasilandenses, em 20 anos de mandatos, e comentou outros assuntos, que serão importantes nesta (tentativa) de análise.


Na oportunidade o ex-prefeito agradeceu a população e contou o início de sua trajetória no Executivo Municipal, em 2012, quando desbancou medalhões da política brasilandense, sem um tostão furado. Agora é necessário enxergar a distância daquele Marden – a cada dia somos seres diferentes e sujeito a mudanças, claro – para o Marden de hoje, que não é pé no chão nem aqui nem nas cucuias.

Depois apresentou a diferença da sua gestão com as gestões dos outros ex-prefeitos (Zizinho e Doutor Heraldo). É inegável que o avanço que Marden Junior causou em Brasilândia é superior aos mandatos anteriores ao dele, principalmente em infraestrutura e em organização das pastas. O que não é mérito algum, “Marden foi o melhor prefeito que Brasilândia já teve”, ok! Qual o grande feito nisso? Uma cidade que em seis eleições (sem contar a última) elegeu três prefeitos. Aí pergunto, como alguém quer transformar uma sociedade dessa maneira?


O novo, depois de usado, não é mais novo. E é importante entender, que novo não tem nada haver com idade. É possível ser velho com ideias novas e jovem com ideias velhas. A mudança de que Marden falava em 2012, se não foi feita por ele em oito anos, ou 20 como preferem, não será mais. E Marden não pretende sair da fila, fala como se estivesse em campanha para 2024 e é provável que esteja.


“Se a população pedir e eu sentir que devo ir, eu vou”, disse o ex-prefeito, agora cabe saber quem é essa população, esses mais de “90%” que aprovaram a gestão e que com que fundamento chegam a esses 90% ou mais de aprovação. Não duvido que em 2024, a população reeleja Marden, nunca duvide de um brasilandense, nem de sua capacidade.


Na segunda parte da entrevista, Eustáquio Nunes, perguntou sobre o atual prefeito, Oséias Queiroz e o que Marden pensava de suas decisões. Como a nomeação da esposa, Maria do Socorro Queiroz, para a secretaria municipal de Desenvolvimento Social e do filho, Clinton Junior Guimarães Rocha, para a secretaria de Administração e Planejamento. O que não é nenhum crime. E se for pensar que seus auxiliares devem ser gente de sua confiança, quem melhor que a esposa e o filho. Agora, trata-se da gestão de um município inteiro e um cargo deve, acima de tudo, ser medido pela capacidade de seus ocupantes. Se são capazes e cumprem com o ofício, tudo certo! O que Oséias não conseguirá mudar, talvez, é como a população verá isso.


Marden também respondeu mais ou menos com essas palavras, já que também teve uma filha indicada pelo prefeito para um cargo público, o que não há nenhum problema também. O problema, neste caso, é atacar a filha do ex-prefeito por esse motivo. E agora, outra filha do ex-prefeito concorrerá a uma licitação (que é a forma legal) para, possivelmente, compor a gestão de Oséias.


Se Clinton não proibiu Marden de entrar na prefeitura (o que nem pode), com Marden mesmo disse. Digo que se não tentar afastar Marden logo da gestão, em 2024 receberão fogo-amigo e virá chumbo grosso por aí.

Eustáquio pediu nota para Marden sobre o início da gestão de Oséias, muito precoce, muito precoce mesmo para isso. E o ex-prefeito corretamente usou esse argumento, mas para não deixar de ser Marden, ameaçou dar um cinco, "a média".

“Nós fizemos, nós construímos, nós deixamos”, essa retórica é encontrada em qualquer livro de oratória e o ex-prefeito deve estar de olho em um deles por aí, pois sua conduta nas entrevistas são sempre exímias, não se desestabiliza e fala com eloquência. Teve até autocrítica, após o comentário de um seguidor no Facebook, comentário que passou despercebido por Eustáquio (ou Marden viu na tela do monitor do apresentador ou, quando estava com o celular na mão durante a entrevista, talvez acompanhava os comentários da transmissão). A autocrítica foi quanto ao Esporte e Lazer, tema que já foi incansavelmente debatido no Foro e não convém ser falado aqui.

Eustáquio perguntou o que tinha que perguntar, mas seria interessante que o ex-prefeito respondesse sobre as acusações de perseguição política, que não foram poucas e tem "N" exemplos, o mais recente da médica demitida durante a campanha. Que é um tipo de política, caso realmente praticada, suja e inadmissível, além de antidemocrática. Como os Mardistas (poucos) que ameaçavam essa página quando viam algo negativo sobre seu candidato e achavam que assim iam intimidar-nos. Pelo amor de Deus, né?! Em que sáculo essas pessoas acham que estão vivendo.

E o outro ponto que também não foi falado é a respeito da falta de autonomia que tinham os secretários de Marden durante sua gestão. Um exemplo disso foi o próprio prefeito Oséias, chamado de incapaz para ser secretário, mas capaz de gerir para cidade, segundo o ex-prefeito. E não tenho dúvidas da capacidade de Oséias, que está em um bom início de gestão.


E já ia esquecendo do principal, em que pode-se enxergar Marden em todas suas facetas e apenas esse trecho já justificaria e faz desnecessário todo resto do artigo: quando Eustáquio questionou o ex-prefeito se achava que Oséias estava contratando muita gente, Marden disse, não exatamente com essas palavras, mas “realmente o povo está comentando, Eustáquio. E eu vejo muita gente indo lá na prefeitura pedir emprego, o que é natural o povo quer emprego. E, Eustáquio, eu vejo que as pessoas tão saindo de lá felizes, porque estão conseguindo empregos. Isso pode ser um risco [...]. Sempre que o prefeito me procura, e tem me ligado, eu estou à disposição para orientá-lo.

Em poucas frases, Marden deixou subentendido o seguinte, “Oséias está contratando muito mesmo, mas não tenho dados disso. É o que meus olhos veem. Realmente ele é inseguro, tem que me ligar às vezes porque eu sei o caminho certo”. Ou seja, meia palavra basta e todas as palavras são desnecessárias.


PROVOQUE, OPINE, QUESTIONE!

 

Notas:


¹ esse artigo não apresenta verdades, apenas opinião do autor.

² esse artigo não tem a intenção de ofender nenhum dos citados, são pessoas públicos e sabem que estão sujeitos a críticas e elogios.

³ o FORO sempre dá o direito de resposta a quem quer que seja.


*não se preocupe, esse artigo não alterará nada na sociedade brasilandense e nem tem a intenção disso, quiçá será lido.


Fonte:


Facebook


Radio Planalto FM 87,9 Brasilandia-MG | Facebook


217 visualizações