FORO REALIZA CURSO GRATUITO DE JORNALISMO COMUNITÁRIO, ON-LINE

Esse foi o primeiro curso do projeto de formação de jornalistas comunitários do Foro, o assunto desta etapa tratou de "Como Escrever uma Notícia", matéria-prima do exercício jornalístico.
 

Na última sexta-feira, às 18h, o Foro realizou a primeira convensão on-line do projeto de formação de jornalistas comunitários, o ponto de partida do ciclo de palestras, ministrado pelo jornalista-fundador do Foro e mestrando em Integração Latino-americana, pela Universidade Nacional de La Plata (UNLP), Gustavo Rubim, abordou o tema "Como Escrever uma Notícia".


A transmissão contou com a presença de aproximadamente 15 participantes, não exclusivamente de Brasilândia de Minas, já que o evento foi abertos a todos. Para esses foram apresentados os conceitos básicos de jornalismo, como lide, fonte, pauta, entrevista, fake news, entre outros assuntos que envolvem o texto jornalístico.


"O Foro considera que deu a oportunidade a todos, sem impor restrições, também por respeitar e acreditar nos meios de comunicação como um espaço de liberdade, e, mais do que isso, os cursos são uma medida de ação prática e efetiva. Não paramos no campo das ideias, mas saímos ao sol para encarar a luz do dia. A mudança não se faz apenas por palavras, contudo por esse tipo de atitude", afirma o jornalista.


Quem participou do curso certamente recebeu as noções básicas para redigir uma notícia, além de técnicas de apuração e de como indentificar uma fake news e não repassá-las. "O Foro, desde 2019 quando entrou no ar, sempre acreditou em um jornalismo comunitário, em um jornalismo feito pela população brasilandense, para assim, mais forte critícamente, escolher melhor e cobrar seus governates", segue Gustavo,


"de certo que não avançamos muito, nem esperavamos isso. A mudança é gradual e não se pode transformar a sociedade de um dia para o outro. Essa ambição de transformação talvez pareça boba, e é, o engajamento ainda é pequeno, embora o alcance seja alto. Nos últimos 30 dias 7.966 pessoas viram nosso conteúdo no Facebook, sem contar os dados do site, quase 2/3 da população brasilandense. E ainda assim o site carece de patrocinadores, desde 2019, que escrevo sozinho para o site, escrever e editar, rede social e tudo mais. Ou seja, escrevo até mesmo o texto que leem agora e abro aspas para minhas próprias palavras, como se fosse outro que as dissesse [rs]", conclui.

Todos seguem o fio da meada de suas vidas. Com a pandemia tudo parece mais difícil, é fato. De cá o Foro segue na resistência e preserva um jornalismo independente, sem rabo preso com ninguém, e que não abre mão de arregaçar as mangas e ir em busca de algo que nem se sabe o que é, apenas manter-se até onde der, essa é a ideia.


 


31 visualizações